Existe amor à primeira vista?


Segundo um estudo da Universidade de Syracuse, nos Estados Unidos, amor à primeira vista existe e é muito comum. De acordo com a pesquisa, intitulada “A Neuroimagem do Amor”, se apaixonar demora apenas um quinto de segundo.
Mas como os cientistas chegaram a essa conclusão? Eles sugerem que se apaixonar é uma ação quantificável, que pode ser medida por meio das substâncias químicas liberadas pelo cérebro humano. Segundo a pesquisa, a paixão pode não só provocar a mesma sensação eufórica causada pelo uso da cocaína, como também afetar áreas intelectuais do cérebro.
Os resultados mostraram que, quando uma pessoa se apaixona, 12 áreas do cérebro trabalham em conjunto para liberar substâncias químicas que induzem a euforia, como dopamina, adrenalina e ocitocina. O sentimento de amor também afeta funções cognitivas, como representação mental, metáforas e imagem corporal.
Mais informações »
Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »
Obrigado pelo seu comentário