Mulher gosta de homem sensível?

No passado a mulher estava sujeita a todo o tipo de violência, e cabia ao homem, um ser geneticamente mais forte, a importante tarefa de proteger toda a família (crianças, velhos e mulheres).

Com a criação do dinheiro e a modernização, as mulheres, gradativamente, passaram a não mais precisar de proteção, e ai nasceram o movimento feminista. Vendo suas fêmeas se tornarem independentes, os homens aos poucos estão evoluindo para frutinhas delicadas.

De acordo com uma pesquisa da consultoria japonesa Media Shakers, cerca de 60% dos rapazes de vinte e poucos anos de lá se declaram “garotos-herbívoros”, homens que se interessam mais por atividades como passeio no campo e compras para a casa – e não tanto por sexo, carro e dinheiro. É por este motivo que, por lá, as japonesas gostam tantos dos Samurais – estes sim eram homens de verdade (bravos, dominantes e protetores).

O homem dos sonhos delas é compreensivo, manda flores, discute a relação e expõe suas fraquezas. Mas na realidade, parece que as mulheres não sabem muito bem o que querem. "Elas confundem sensibilidade com fraqueza. Talvez porque falte ao homem sensível à agressividade do 'macho'", diz a escritora francesa escritora francesa Anaïs Nin (1903-1977). Portanto, no fundo, muitas mulheres sentem falta de uma coisa ao qual elas conviveram por séculos - o macho.

No aspecto sexual a coisa pode ser ainda pior, a maioria das mulheres gostam de ser submissas na cama, como o homem tomando as rédeas da trepada. Outras até sentem prazer em levar alguns tapas no momento do ato, mas nunca escutei relatos de mulheres que gostam de homens do tipo banana.

No final das constas o homem moderno deve aprender a “equilibrar a relação”: flores e mimos devem ser dados a ela na medida certa, qualquer tipo de exagero pode colocar fim ao relacionamento, e por um motivo simples: elas no fundo precisam de um homem que seja de Marte, de mulher já bastam elas...

Achou este texto machista? Comente!
Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »
Obrigado pelo seu comentário