A televisão está morrendo

Temos duas notícias para você querido leitor - uma boa e uma má: A má é que a televisão te manipulou e te emburreceu por mais de vinte anos, a boa, é que você não precisa mais dela. Hoje vamos falar da tão manjada influencia da televisão brasileira, e por que seu mundo de sonhos está acabando.

Siga @allan_arauj no twitter.




De 1923 a 2009
A fantástica fabrica de sonhos teve sua origem no início da década de 20 e se proliferou que nem uma pólvora pelo mundo. A televisão é um sistema eletrônico de recepção de imagens e som capaz de informar qualquer pessoa, seja lá onde ela esteja.

A televisão começou a realizar seus trabalhos em 1928 nos EUA (claro). No Brasil, ela só foi dar as caras em 1950. Para todos ela era uma verdadeira maravilha,...e realmente era.

Na década de 80 a "Revolução Televisiva" mostrou para que veio: os pais que já estavam viciadões em telenovelas, transferiram para a programação infantil o dever de educar seus filhos. As crianças que antes brincavam na rua poderiam ficar em casa, imóveis, seguras, e vegetando em frente à TV com programas inofensivos e desenhos animados super legais.

Pessoas simples que trabalhavam o dia inteiro passaram a ver na TV seu único divertimento. As divertidas e empolgantes novelas era como um presente e todos adoravam se entreter com ela.
Nos anos 90 a TV já estava em praticamente em todos os lares brasileiros. Todos assistiam a telenovelas, e os telejornais tinham a importante missão de atualizar as pessoas sobre os acontecimentos do mundo, pois, para muitos, os telejornais eram a única forma de conexão com o que estava acontecendo.

As redes de televisão nunca se importaram em produzir uma programação realmente educativa ou que instigasse seus telespectadores ao senso crítico. Isso aconteceu por dois motivos: seja porque a maioria das pessoas não tinham boa formação cultural e educacional, ou porque, este tipo de programação não trazia audiência, ou seja, o povo brasileiro nunca se interessou em obter conhecimento através da televisão.

Com a simplicidade da população ficou mole dominar geral - emissoras de TVs foram capazes de criar verdadeiros universos vegetativos com suas telenovelas e ídolos de esgoto. Um universo inútil que prendia e viciava seus telespectadores em frente ao televisor por mais, e mais, tempo.

Com telespectadores tão dependentes, a televisão passou a ditar as regras e a decidir: o tipo de música que iria fazer sucesso, as roupas que deveriam ser usadas, os produtos que deveriam ser comprados e a posição política que o povo deveria adotar.

Ela se tornou um vício terrível – as pessoas deixavam de sair ou ler um livro para acompanhar o desenrolar das novelas. O brasileiro embarcou em um mundo de sonhos e se desprendeu da realidade.

O cenário podre criado pela televisão estava próximo a deixar de feder. No ano 2000, finalmente uma nova revolução iria salvar os brasileiros. A internet mostrou para as pessoas que a informação poderia ser muito além daquela que elas estavam acostumadas. Ela cresceu de forma tão rápida que poderíamos dizer que foi explosiva. Veja abaixo:

1982 – Surgiu a palavra internet
1995 – Lançamento do Explores
1998 – Nasce o Google
2000 – Estoura a internet
2001 – Winkipédia
2003 a 2007 – Skype, Facebook, Orkut, You Tube, Twitter, iPhop
Fonte: Universidade Stanford
De 2003 para cá a internet revolucionou tudo. As pessoas, principalmente os jovens, estão abandonando a televisão pois descobriram que existe entretenimento muito mais interessante e inteligente do que aquele disponibilizado pela TV. Antes era a televisão que educava as crianças, hoje elas aprender tudo e ainda mais um pouco na internet.

As crianças que já tinham acesso ao conteúdo adulto presente nas novelas, puderam ampliar ainda mais seus conhecimentos. Na internet, crianças de qualquer idade já pode acessar assuntos que vão do sexo à teoria da relatividade.

Hoje o cordão umbilical criado entre os jovens e a televisão aberta brasileira já não mais existe. A nova geração já nasce com uma diversidade estupenda de informação, e não mais precisam se sujeitas aos desmandos das poderosas emissoras de TV.

Vivemos uma nova era de pessoas. Antes uma criança pobre não tinha livros para ler, pois seus pais não os podiam comprar, o jeito era recorrer a TV. Hoje sai mais barato comprar um computador do que uma televisão digna. A internet definitivamente quebrou todas as fronteiras da informação.

O comportamento dos jovens pode ter mudado muito, mas isso não quer dizer que a televisão vai efetivamente morrer. Segundo Marcelo Adnet da Revista Galileu "Tudo é novo e não se sabe direito onde vai dar, mas a televisão não vai morrer. A televisão não matou o rádio, e o computador também não vai matar a televisão . Claro que terá seu espaço diminuído. É legal essa nova realidade, mas não dá para achar que o teatro vai acabar, a TV vai acabar, o cinema vai acabar porque tudo vai ser internet. A mudança é necessária. Por exemplo, a audiência das novelas caiu drasticamente. Era de 40 pontos e agora é de 20. Vai cair mais, mas não vai dar 2 pontos. Vai dar 12, 10 pontos. Uma mídia cai e outra sobe. Depois estabiliza. E, claro, a TV vai ter de se adequar".
Proxima
« Anterior
Anterior
Proxima »

3 comentários

Clique aqui para comentários
Obrigado pelo seu comentário